Amor Dodo

amordodosite

:: Você pode ler esse texto ao som da música do casal -Frisson ::

A comunhão

A primeira vista, nem sempre sabemos reconhecer o – nosso – amor. Pois ele chega de mansinho, mesmo quando estamos bem embalados no descompasso da festa, chamada vida.

Ah! E nem sempre chega “imponente” num cavalo branco. Mas isso, não desqualifica de forma alguma o príncipe, pois princesa moderna, sarada e antenada, acha que isto só o torna ainda mais charmoso.

Uma festa, mesma festa;

Se conheceram, sorriram;

Conversaram, sintonizaram;

Mas o que não conversaram, ah… Isso sim os conectou.

Pegaram carona um com o outro, n’outro;

Brindaram este encontro, tímidos, em seus silêncios.

O carro parou. Despediram-se com olhares inebriados, sem trocar telefones… Mas já foi sem querer.

De repente, minutos depois o celular dela tocou e as luzes acenderam. Ali no quarto dela, e lá um pouco mais distante, num quarto do prédio vizinho.

Era ele ligando “só” para desejar um beijo ao dizer boa noite. E ela tomada por um imenso frisson retribuiu o carinho, e dormiu sorrindo…

Sim, senhoras e senhores, desta vez, o cravo não brigou com a rosa.

E a luz após acesa, logo se transformou em chama, aqueceu os corações, iluminou suas almas, e os fez querer só o bem comum de um Amor Dodó : a comunhão.

Cristiano De Jesus